sábado, 10 de abril de 2010

Técnicas modernas de gestão

Desculpem a insistência. Mas dado o tom de alguns comentários, foi decidido pela «Direcção do Instituto» oferecer um curso intensivo para que seja melhor compreendido o papel dos executivos nesta sociedade actual em que a vida que nos é imposta está transformada num tormento e é absolutamente necessário parar para pensar que é imperioso encontrar melhores maneiras de passarmos os curtos anos das nossas vidas e que já há pessoas inteligentes que adoptaram modalidades mais suaves. Depois dos posts recentes «Vida de executiva de sucesso», «Elogio da simplicidade» e «Simplicidade na vida», apresento o seguinte texto, mascarado de fábula

O prémio da Formiga

Todos os dias, a
formiga chegava cedinho à oficina e desatava a trabalhar. Produzia e era feliz.

O gerente, o
leão, estranhou que a formiga trabalhasse sem supervisão. Se ela produzia tanto sem supervisão, melhor seria supervisionada !

Contratou uma
barata, que tinha muita experiência como supervisora e fazia belíssimos relatórios. A primeira preocupação da barata foi a de estabelecer um horário para entrada e saída da formiga.

De seguida, a barata precisou de uma secretária para a ajudar a preparar os relatórios e contratou uma
aranha que além do mais, organizava os arquivos e controlava as ligações telefónicas.

O leão ficou encantado com os relatórios da barata e pediu também
gráficos com índices de produção e análise de tendências, que eram mostrados em reuniões específicas para o efeito.

Foi então que a barata comprou um
computador e uma impressora laser e admitiu a para gerir o moscadepartamento de informática. A formiga de produtiva e feliz, passou a lamentar-se com todo aquele universo de papéis e reuniões que lhe consumiam o tempo!

O leão concluiu que era o momento de
criar a função de gestor para a área onde a formiga operária trabalhava. O cargo foi dado a uma cigarra, cuja primeira medida foi comprar uma carpete e uma cadeira ortopédica para o seu gabinete.

A nova gestora, a cigarra, precisou ainda de computador e de uma assistente (que trouxe do seu anterior emprego) para a ajudar na preparação de um plano estratégico de optimização do trabalho e no controlo do orçamento para a área onde trabalhava a formiga, que já não cantarolava mais e cada dia se mostrava mais enfadada.


Foi nessa altura que a cigarra convenceu o gerente, o leão, da necessidade de fazer um
estudo climático do ambiente.

Ao considerar as disponibilidades, o leão deu-se conta de que a Unidade em que a formiga trabalhava já não rendia como antes; e contratou a coruja, uma prestigiada consultora, muito famosa, para que fizesse um diagnóstico e sugerisse soluções.

Adivinhem quem o leão começou por despedir?


A formiga, claro, porque "andava muito desmotivada e aborrecida".


Nota: As personagens desta fábula são fictícias; qualquer semelhança com pessoas ou factos reais é pura coincidência…

3 comentários:

Luis disse...

Caro João,
Infelizmente esta teoria anda espalhada por todo o lado. MAS QUANDO ACABAREM COM OS TRABALHADORES QUEM LHES PAGARÁ OS SEUS SALÁRIOS PORNOGRÁFICOS????
Um abraço amigo.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Diz a outra que não há coincidências...

A. João Soares disse...

Caros Luís e Carlos,

A cioncidência é que os gestores, na sua ânsia de ostentação e vontade de imitar os «bons» aplicam muitas vezes as melhores soluções de forma irracional a casos em que não se ajustam. E como «cada caso é seu caso», aquilo que deu bom resultado no vizinho pode ser um desastre no nosso problema.
Antes de cada decisão é preciso Pensar antes de decidir, para não fazer asneira.

Abraços
João