terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

TRUMP QUER LUTAR CONTRA O TEMPO

Trump quer lutar contra o tempo
(Publicado em O DIABO de 14 de Fevereiro de 2017)

Trump está a tentar cumprir aquilo que prometeu na campanha eleitoral. Mas nem parece que a sua actividade tenha sido a «construção civil». Ninguém que deseje construir um palacete, o pode ver pronto a habitar no dia seguinte a ter manifestado tal desejo, mesmo que o tenha escrito em papel e assinado com caneta de feltro bem visível perante a câmara e vídeo. Com efeito, desde o momento em que a intenção é formulada, há muitos passos a dar para ser atingido o objectivo, desde a escolha do local, a elaboração dos estudos e planos até à entrega da chave, há muitos e diversificados trabalhos a levar cabo. As fases intermédias, ou objectivos parciais, são entregues a técnicos especializados – arquitectos, engenheiros, estocadores, pintores etc – cujo trabalho deve ser acompanhado e sujeito a observações e opiniões do patrão. Este deve abster-se de querer inserir o mobiliário antes do momento adequado e, só nessa altura deve, fazer a escolha das ofertas de mercado que lhe agradam e recusar as outras. É preciso dar tempo ao tempo e não baralhar tudo a fim de evitar fazer trampa.

Ora ele, parece querer resolver cada uma das suas intenções, apenas com o efeito milagroso e um papel assinado com pompa e circunstância, no seu gabinete, perante o operador de vídeo, mostrando para a máquina a sua assinatura bem vistosa.

Para um gestor competente, com sentido da responsabilidade, isso pode ser apenas o sinal de partida para uma longa maratona. Sem serem criadas as necessárias e adequadas condições, sem ser preparado o pessoal que vai ter de agir de forma diferente daquela a que está habituado, e sem conquistar a aceitação e a adesão das pessoas que vão ser atingidas pelos efeitos da mudança, dificilmente podem ser esperados os melhores resultados.

As reacções já visíveis em determinados sectores, não apenas nacionais, mas também de muitas partes do globo prenunciam as dificuldades que advirão de decisões complexas e precipitadas sem a adequada ponderação e busca da melhor alternativa. A forma como um seu admirador agiu contra uma mesquita de Quebec, pode ser considerado o primeiro sinal, e muito preocupante, do ambiente de confusão criado.

Sobre a preparação da decisão, sugiro a leitura do texto publicado no jornal «O DIABO» em 27-09-2016. A metodologia nele apontada aplica-se a todo o tipo de decisões e é imprescindível naquelas que irão afectar a actividade de muita gente e de vários países. Desde a adopção de uma intenção até iniciar a acção para a sua concretização há um cuidadoso e meticuloso trabalho mental, burocrático e de contactos com pessoas, directa ou indirectamente, atingidos, a elaborar.

Também se relaciona com este tema o texto «promessas e decisões anunciadas precocemente» publicado em O DIABO de 18 de Outubro de 2016, em que se mostra a vantagem de as coisas não serem publicitadas, antes de estarem bem definidas e ponderadas, para não exigirem recuos desvantajosos para o prestígio e a imagem do decisor.

Não é por acaso que, num alto cargo, o responsável dispõe de uma equipa, que pode ser muito numerosa e diversificada, para colaborar na formulação de todo o trabalho antes de a decisão saltar para o público. Isso mostra bem que a decisão a esse nível não constitui uma obrigação pessoal, prepotente, autoritária, por capricho, sem atender aos pareceres de colaboradores. Não se pode aplicar uma norma do tipo «quero, posso e mando».

A João Soares
O7.02.2017

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

POLÍTICOS E DECISÕES DA AR

Políticos e decisões da AR
(Publicado em O DIABO de 7 de Fevereiro de 2017)

Recordo uma leitura de Eça de Queiroz que criticava um cidadão por querer candidatar-se ao parlamento sem ter fortuna que lhe permitisse viver com boa qualidade sem precisar de mamar na teta do erário. A política, no seu conceito, era um serviço público, de generosidade, próprio de ricaços que podiam a ela dedicar-se à custa dos próprios meios. Hoje, tal actividade nada tem de generosidade e pouco tem de patriotismo, tendo-se tornado numa forma de vida fácil e bem remunerada, sob diversos aspectos. É vulgar ouvir-se que o objectivo que leva um mau estudante a ingressar em tal «carreira» é o desejo de grande enriquecimento, em curto prazo e por qualquer forma, o que é garantido pela imunidade e impunidade, facilitada pela exagerada tolerância dos contribuintes que receiam denunciar actos de corrupção e outros vícios parecidos e pela complacência da Justiça. Não há conhecimento de notícias de ex-políticos a viver com privações.

Costuma dizer-se que têm a faca e o queijo na mão e não vão limitar-se a comer apenas pão. E para adquirir habilidades têm convívios de verão, a que ostensivamente chamam universidades de verão, em que confidenciam truques usados pelos mais experientes e assim acamaradam e se tornam cúmplices e coniventes, dispostos a encobrirem-se e a denunciarem e achincalharem os que estão no governo, ou vice-versa.

Acerca de tais habilidades, li há dias uma crítica ao Presidente da AR, segunda figura da hierarquia o Estado, por decidir não prolongar, ad eternum, uma comissão de inquérito parlamentar, alegando nessa crítica que o inquérito iria informar os portugueses de erros cometidos na CGD. Mas, na realidade destas comissões nada de benéfico tem decorrido para a informação dos cidadãos, como se constatou no caso do Inquérito ao BES, que durou vários meses, e não foi conhecido nenhum resultado obtido para benefício dos portugueses, compensador da despesa feita pelos deputados. Houve certamente, benefício para os deputados que faziam parte da comissão e recebiam pelo tempo nela investido. Residia aí o desagrado do queixoso de o inquérito à CGD não ser prolongado, mesmo com risco de contribuir para o aumento do défice orçamental e da dívida pública.

Esquecem ou nem querem pensar nisso, que Portugal é um país pobre e submerso numa crise prolongada, não tornando aconselháveis tentações de ostentação de riqueza fictícia. Quando chegam ao nosso conhecimento dados sobre as condições de trabalho e de alojamento de deputados do Reino Unido e de vários Estados nórdicos, não podemos ficar felizes com as habilidades, as vaidades e as ambições dos nossos roedores e estimação.

Há dias, um amigo dizia que a quantidade de deputados devia ser reduzida a metade da actual. E que nem se trata da proporcionalidade com a população ou com a área ou com o PIB do país, em comparação com alguns países europeus, mas sim pelo pouco tempo que utilizam para analisar os problemas nacionais, as condições de vida da população do interior em despovoamento acelerado e da qualidade de vida de muita gente nos subúrbios das grandes cidades. Não se vê neles interesse na reorganização de sectores obsoletos e com demasiados penduras em tachos inúteis, a sugar o erário sem resultados vantajosos para o público. Mas desperdiçam tempo a criticar o Governo, de forma negativa, destrutiva, demolidora, quando esse órgão de soberania deve ser apoiado com críticas construtivas e sugestões de soluções consideradas vantajosas para bem de Portugal. Tal apoio, é dever de todo e cada cidadão, com os respectivos meios, e a oposição, feita de cidadãos, não deve considerar-se dispensada de tal colaboração.

Há quem ache muito interessante que anualmente seja publicada a quantidade de decisões tomadas na AR e os temas nelas abrangidos e que conste a percentagem das propostas que lhes deram origem referentes a cada partido. Por exemplo, das propostas votadas e aprovadas 20% eram do partido X, 30% eram do partido Y, etc. Isto poderia servir de estímulo para fazerem mais trabalho útil e ara facilitar a propaganda eleitoral que não precisaria de palavreado fantasista, porque demonstraria resultados obtidos em benefício do cumprimento da sua principal missão perante a Pátria.

Embora já tendo o texto praticamente terminado, não quero deixar de referir uma lição de grande interesse. A resolução do problema da TSU que tanto prazer deu à oposição ao querer triturar o Governo, acabou por ter uma solução obtida rapidamente através de conversação com os parceiros sociais. É mais um facto que demonstra que o diálogo e a negociação são mais fáceis, com pessoas racionais, com experiência da vida e com sentido de responsabilidade do que com obcecados pelo poder, pela ambição e vaidade, sem noções realistas e sem preparação para defender os interesses do povo português. Mas, atenção, o Governo não deve deixar de ter presente que não há soluções ideais, pois não há bela sem senão, e deve fazer sempre a sua análise, no cumprimento das suas funções de gerir o interesse nacional.

A João Soares
31 de Janeiro de 2017

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

VIOLÊNCIA DE ESTADO OU TERRORISMO


Violência de Estado pode ser mais selvagem do que o terrorismo

(Publicado em O DIABO de 31 de Janeiro de 2017)

Até quando teremos de assistir ao uso «inadvertido» de armas letais? Porque não as utilizam exclusivamente em pistas, carreiras de tiro, campos de tiro, etc. Isto é, espaços vedados ao público apenas destinados ao treino e preparação dos militares.

Que consideração nos merecem estas pessoas, parte de organizações governamentais que decidem a actuação dos militares sem conhecerem a gravidade de tais acções e sem a devida sensibilidade, sem o mínimo respeito pelos outros e sem terem repulsa por actos que causam sofrimento e morte em seres humanos indiferenciados? Há muitos estados, grandes e pequenos que não têm idoneidade para usar material bélico, porque permitem que alguns dos seus cidadãos brinquem com objectos demasiado perigosos para as populações sem terem consciência do perigo que lhes causam. Como se acusam terroristas de causar umas dezenas de mortos se, no caso do bombardeamento, por um avião militar, de um campo de refugiados na Nigéria, causando a mote a cerca de 100 pessoas.

Tenho aqui referido que, nesta época de mudança para a NOVA ERA, há que pôr um forte travão nas guerras e insistir na resolução pacífica dos conflitos, dando lugar ao trabalho da diplomacia. Porém tal intenção parece manter-se nas nuvens da utopia, porque grande parte dos estados está a ser «governada» por políticos impreparados, sem ética nem moral, ambiciosos e vaidosos, que esquecem que o seu principal dever é respeitar os direitos das pessoas e dar-lhes boa qualidade de vida e cuidar de contribuir para a humanidade se tornar mais harmoniosa e viver em paz fraterna. As notícias chegadas da Síria mostravam os efeitos arrasadores em cidades como Alepo provocados por insistentes bombardeamentos de Sírios, Russos e Turcos. Os estragos causados em vidas e haveres devem ter ultrapassado largamente os provocados pelos denominados terroristas. Afinal, quem são os maiores terroristas do mundo, aqueles que provocam mais vítimas humanas e mais destruições de património quer privado quer público e quer constituindo reconhecido valor para a história mundial ???

Perante um vídeo de uma orquestra feminina de jovens que tocava uma colecção de músicas mundialmente famosas, uma pessoa amiga exclamou que se estava em presença de comunhão de sensações e sentimentos vividos por gente de todo o muno, sem discriminação e que a música devia ser mais aproveitada para criar a Paz e a harmonia mundial. Concordei e acrescentei que, se houvesse verdadeira vontade de viver em paz, os diversos sectores da arte poderiam ser instrumentos para unir os povos em harmonia fraterna e solidária. Mas a falta de qualidade de muitos detentores do poder leva-os a esquecer que o seu principal dever é respeitar os direitos das pessoas e dar-lhes boa qualidade de vida e, seguem o caminho errado de dar mais atenção aos seus interesses pessoais, à sua ambição e vaidade e a submeterem-se aos industriais e vendedores de armamento que lhes impõem a guerra para benefício dos seus próprios negócios.

Ser governante de um Estado com população de diversas cores, religiões idiomas, tradições deve ser assumido com qualidades de liderança, diálogo, compreensão de todos, sem discriminar, e procurando harmonia, em mútuo respeito e igualdade de direitos, enfim, uma nação, um colectivo. Não deve ser prepotência em defesa dos «bons» de que se gosta, com exclusão de todos os outros aos quais se motiva para a rebelião que pode chegar às piores atrocidades, com a natural escalada das trocas de violência.

E, com tal autoritarismo prepotente, em vez de acabar com a praga do terrorismo, suscitam mais ódios, alguns que perdurarão através de gerações até voltarem com mais força e meios mais poderosos. E, em vez e terminar a morte de tanta gente inocente, acaba por morrer muita mais como tem acontecido no Médio Oriente na Ásia e em África.

Apesar de já ter o texto pronto, depois de ter defendido o diálogo e a paz, não quero deixar de inserir, por vir a propósito, a frase do Papa Francisco, título de notícia no DN, em que alerta para o perigo de confiar "num salvador que nos defende com muros".

A João Soares
24 de Janeiro de 2017

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

NECESSIDADE DE MUDANÇA


«Necessidade de mudança»

(Publicado em O DIABO de 24 de Janeiro de 2017)

A Mudança constitui uma característica da vida, da Natureza. Para saber se um acidentado inconsciente ainda tem vida há que ver se algo nele tem movimento, por exemplo se o coração bate. Na vida social também temos de evitar a estagnação, a degradação de valores essenciais a fim de podermos viver, isto é, ser criativos e inovadores sem a obsessão de repetirmos o que fizemos anteriormente.

Mas convém recordar a frase de um ex-governante muito citado que disse «mudar por mudar é vã tentativa de disfarçar o vazio íntimo». A mudança é necessária e conveniente quando vai ao encontro de novas soluções, em metodologia, estratégias, organizações para atingir melhores resultados com menos custos em tempo, sacrifícios e haveres. A mudança exige cuidados na sua preparação e acompanhamento. Não é sensato mudar sem fazer um prévio estudo, devendo ser evitada a precipitação, o palpite, a aventura.

Vemos na vida internacional algumas iniciativas de mudança inteligente e bem intencionada, como o acordo na Colômbia entre Poder e os oposicionistas a fim de estes desistirem da violência que vinham usando há mais de meio século, como o novo regime de Singapura que gerou uma nova ordem mais civilizada, como as negociações para uma solução pacífica para a Síria, como a procura de intermediários para solucionar o conflito entre Israel e a Palestina, etc.

Mas qualquer mudança é difícil porque obriga a quebrar hábitos e rotinas, por vezes ligados a ambição de riqueza, a exibição de poder, ao culto da imagem, etc. Estes factores que emperram a transição de um ambiente de violência generalizada para uma saudável convivência harmoniosa e pacífica, são visíveis em conflitos por vezes internos e menores que, em vez de serem analisados sem preconceitos para encontrar a maneira mais adequada de os resolver ou de os aceitar atenuando os efeitos, são, pelo contrário, encarados com escalada de violência que agrava a situação sem sanar a causas.

Enquadram-se nestas condições alguns casos de destruições maciças de povoações e de mortes de pessoas em alguns pontos do Médio Oriente, a dureza com que a Turquia tem encarado os incidentes internos a que tem assistido, e a deslocação pela NATO de poderoso contingente militar para a Polónia.

Neste último caso, trata-se mais de dissuasão do que de retaliação, mas que não deixa de ser uma escalada semelhante a outras que precederam algumas guerras recentes. E, como nos casos destas, nomeadamente a do Iraque, isto nunca conduz a bons resultados, senão para aqueles que beneficiam os fabricantes de armamento que segundo já dizia Eisenhower não param as fábricas e, para isso, pressionam os Estados e os grupos de guerrilheiros a fazer guerras a fim de consumirem aquilo que pretendem vender e, depois, inovarem os seus produtos bélicos. E não têm sensibilidade para ver que, dessa forma, morre muita gente inocente e é destruído muito património privado e histórico, como se tem visto no Médio Oriente e noutros pontos do globo. Nos Estados onde tal tipo de violência tem actuado, a qualidade de vida piorou e foram criadas vagas sucessivas e numerosas de refugiados. Tudo catástrofe para a humanidade.

E a repetida violência deixa-nos a dúvida e enfraquece a esperança numa mudança encarada a sério de se procurar passar a resolver os conflitos, quando ainda pequenos, através da diplomacia, do diálogo e da negociação em vez de ser pelas armas.

Mas a MUDANÇA de que a Humanidade necessita não se resume à guerra, pois é mais transversal e deve procurar tornar mais racionais, morais, legítimos, todos os sectores da sociedade, desde a corrupção, ao compadrio, à gestão de todas as organizações públicas de que a população depende quanto a eficiência, a simplicidade de funcionamento, a gestão do dinheiro público, etc.

Qualquer mudança deve contribuir para o respeito recíproco pelos outros, a aceitação das diferenças e a melhoria da qualidade de vida com justiça social.

A João Soares
17 de Janeiro de 2017

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

CONDENAR A VIOLÊNCIA COM LEGISLAÇÃO ADEQUADA


Condenar a violência com legislação adequada

(Publicado em O DIABO de 17 de Janeiro de 2017)

Atentados que matam dezenas de inocentes e deixam ferida quase uma centena de pessoas que nada fizeram de mal não é um crime normal que possa ser julgado pela legislação tradicional. Também não devem ser retaliados por forma idêntica e informal porque violência gera mais violência e a espiral eleva as consequências para patamares inimagináveis.

Há quem recorde a revolução francesa de 14 se Julho de 1789, em que, apesar do seu lema de harmonia social com «liberdade, igualdade e fraternidade», não foi descurada a necessidade da pena capital com a utilização da guilhotina para travar atentados ao seu rumo humanitário. Agora, o problema tem pormenores muito diferentes e não se pode condenar à morte um terrorista suicida, mas há que calar quem o encarregou ou obrigou ao crime. Como? Seria bom que a conversação, a negociação ou outras estratégias pacíficas pudessem ser eficazes, mas temos constatado que as organizações que impõem tais actos se vangloriam dos resultados mais trágicos, mostrando-se dispostas a subir a escalada. Daí não parece poder esperar-se que a solução pacífica seja eficaz.

Por outro, lado não parece racional respeitar a vida de quem não respeita a de outros, inocentes e alheios aos motivos de tal sanha assassina. Mas se os mais altos poderes internacionais se inclinarem a concordar com tal solução, não devem deixar que haja retaliações de forças públicas ou privadas a fazer justiça pelas próprias mãos. Será indispensável legislação especial criada pela ONU aplicada por uma instituição criada ad hoc que decida, sem demora, para não deixar arrefecer os efeitos do crime a punir. É muito provável que, depois de consumados os primeiros julgamentos extraordinários, não será necessário haver outros, porque o poder de dissuasão resultará.

É raro o dia em que não haja um ou mais crimes hediondos no Médio Oriente ou em qualquer continente que tornam a vida impossível a pessoas que gostariam de respeito mútuo entre todos, em bom convívio e solidariedade num ambiente de paz e harmonia social. Ninguém se deve considerar dono de tudo excluindo os outros que não se submetam à sua forma de pensar e de agir. O respeito e a tolerância devem ser virtudes a praticar com reciprocidade.

Há exemplos dos dois extremos do problema. Ontem, um amigo muito viajado referiu o paraíso de Singapura em que não há violência nem droga, mas respeito pelo meio ambiente e pelos outros, do que resulta harmonia e boa convivência entre pessoas de diversas etnias e religiões. As Filipinas parecem estar a procurar os mesmos resultados, oxalá escolham os métodos mais aceitáveis.

Um exemplo do extremo oposto é o da Turquia onde, tal como na Síria, o dono do poder utiliza a prepotência e a imposição da sua visão pessoal. Por isso, não deve ter acontecido por acaso o golpe falhado de 15 de Julho. Mas, em vez de reconsiderar que a negociação e a adequada reorganização do sistema seriam oportunas, ouvindo para isso opiniões de todos os sectores, foi aplicada a violência do poder com punições volumosas contra pessoas com quem o entendimento não era o melhor. O resultado de tal problema interno e a participação contra os oposicionistas rebeldes da Síria traduziu-se na série de atentados contra pessoas inocentes sucedidos nos dias mais recentes. A violência usada contra a violência tem efeitos de aceleração e aumento da gravidade e da injustiça social. A Colômbia chegou a tal conclusão e pena foi que demorasse 52 anos, a ser tomada a iniciativa do diálogo, mas oxalá consiga levar a cabo os bons objectivos desejados.

Os governantes, como representantes da população, devem ter sempre em vista a qualidade de vida e os interesses colectivos desta, quando se preparam para tomar decisões importantes. Para isso, devem estar sempre em contacto com as realidades nacionais e ouvir as opiniões representativas de tais interesses. Quem for prepotente e se capacidade para contrariar os seus próprios caprichos não merece o voto dos eleitores. Perdoar um erro é uma virtude se ele não foi cometido premeditada e intencionalmente e se o arrependimento garante que não será repetido. Mas a violência que apavora a Humanidade, é confessadamente premeditada e intencionalmente disposta a continuar até à vitória final. Para tais actos não pode haver perdão.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

A CAMINHO DO AMANHÃ


A CAMINHO DO AMANHÃ
(Publicado em O DIABO de 10 de Janeiro de 20179)

A MARCHA PARA A NOVA ERA NÃO DEVE SER SISTEMATICAMENTE ADIADA, porque o tempo perdido será difícil de recuperar. No entanto, não devem ser dados passos ao acaso, sendo necessário decidir com coragem após estudos bem elaborados acerca de todas as hipóteses e dos resultados desejáveis.

Mais do que nunca, o Mundo é dos audazes sensatos e medianamente ponderados. O passado pode servir como ponto de referência e experiência, mas a tentação de o imitar ou repetir deve ser radicalmente banida, porque tudo será totalmente novo, inovador, criativo, imaginativo, com base nas possibilidades hoje existente e outrora inimagináveis. E, entretanto, as condições os factores sofrem alterações rápidas. A Humanidade está a enfrentar uma fase de mudança profunda. A economia dependia fortemente da energia originada pelo carvão, pelo petróleo e pelo gás natural, mas está a ter uma viragem para as energias naturais não poluentes como a eólica e a solar. Por exemplo, «a Suécia está a bater o recorde de produção de energia eólica», Foi-me há dias mostrada em Lisboa (Restelo) uma estação de abastecimento de combustível com uma cobertura revestida por placas de energia solar que a torna auto-suficiente para as suas máquinas e iluminação. Muitos semáforos nas avenidas funcionam com placas solares sem necessidade de ligação à rede de fornecimento de electricidade. Dentro de poucos anos, todos os automóveis serão movidos a electricidade, passando a não ser poluentes por não necessitarem da combustão de produtos fósseis.

Mas mudanças fundamentais caem nas actividades das pessoas, nas estruturas dos serviços, da organização social, política e administrativa. Por exemplo, o PR disse há dias que «cientistas portugueses são embaixadores de Portugal no mundo» apagando um pouco o papel dos diplomatas e dos futebolistas, o que evidencia a crescente importância da ciência e do saber adquirido pelas gerações mais jovens num ensino superior de qualidade.

Muita coisa tem que mudar, reorganizando os serviços com redução da burocracia e dispensa do pessoal não absolutamente necessário e sem preparação devidamente confirmada. A burocracia emperra toda a vida dos cidadãos e das empresas. E quando é dado «emprego» a um boy sem ser destinado a uma tarefa imprescindível, ele tenta justificar o tacho, criando um sistema de pedido de dados que ocupa um conjunto de outros funcionários com uma nova burocracia inútil. O combate à burocracia empolada tem que estar conjugado com a dispensa de pessoas.

A Justiça tem perdido o respeito dos cidadãos vulgares por ser lenta e dar um aspecto de ineficácia. Segundo diz o PR, o «Sistema de Justiça é lento e um " travão enorme" para a sociedade». Não sendo problema fácil de resolver, exige vontade e coragem para obter a colaboração de todos os vectores inerentes, a fim de encontrar a melhor solução. Não parece ser por acaso o aparecimento da notícia «Condenações por corrupção são cada vez menos mas PJ investiga mais». Tem sido abordada a relação entre a Polícia Judiciária e o Ministério Público. É desejável que seja encontrada uma boa solução para a situação actual e flexível para ser eficaz na evolução de amanhã. É desejável que os cidadãos, de todos os níveis tenham motivos de confiança em sector de tão relevante importância.

Mas nenhum sector da actividade nacional pode ser descurado nesta nesta corrida inovadora que começa a acelerar. A saúde, o ensino, a segurança para evitar atentados, a ecologia contra a poluição e os fogos florestais, a legislação para punir com proporcionalidade os terroristas que imolam dezenas de inocentes e para dissuadir outros de fazerem o mesmo, etc. etc.

Enfim, estão a ser cada vez mais necessários governantes sensatos, racionais e corajosos para tomarem as decisões mais adequadas aos tempos que se avizinham.

A João Soares
3 de Janeiro de 2017